quinta-feira, 29 de março de 2012

Dia 25 de Abril é dia de luta

Em dia de manifestação, servidores públicos federais exigem retomada das negociações Servidores públicos federais dos Três Poderes participaram na manhã desta quarta-feira, dia 28, da Marcha Nacional em defesa do serviço público, em Brasília. O SINASEMPU compareceu à manifestação e reforçou o coro em prol da retomada das negociações entre Governo e categorias.


Durante sua fala às dezenas de trabalhadores envolvidos na mobilização, o diretor executivo do SINASEMPU, Anderson Machado, afirmou que os servidores públicos estão sendo excluídos do crescimento do país. Disse ainda que o slogan do atual governo deveria ser “Brasil um País de Todos, menos dos Servidores Públicos”.

“A falta de respeito com que estamos sendo tratados por esse Governo nunca havia sido vista na história recente desse país. O que se viu no final do ano passado no Congresso Nacional, uma série de categorias sendo embromadas até último dia do orçamento, para não verem incluído o seu reajuste na proposta, foi uma tática cruel desse governo”, declarou Machado. A importância da unidade entre os servidores foi outro destaque na fala do diretor do SINASEMPU. Anderson advertiu que se os servidores públicos não estabelecerem a unidade agora, a fim de mostrar ao Governo o seu valor, é certo que a categoria continuará sendo massacrada.

Às 11h, representantes das entidades sindicais dirigiram-se à portaria do Ministério do Planejamento a fim de reunirem-se com o secretário de Relações do Trabalho, Sérgio Mendonça. Todavia, até as 12h, o encontro ainda não havia ocorrido. A marcha faz parte da Campanha Salarial Unificada do funcionalismo federal e é formada por 31 entidades que compõem o Fórum Nacional das Entidades dos Servidores Federais.

Outras frentes Após a mobilização na Esplanada dos Ministérios, os servidores irão se dirigir ao auditório Petrônio Portela, às 14 horas, para o Seminário no Senado Federal contra o PLC 02/12. De acordo com carta encaminhada pelo Fórum ao Senado, “o PLC 2/2012 representa um grande risco para os servidores, pois quebra a integralidade da sua aposentadoria e leva à incerteza quanto ao valor do benefício a que terão direito no futuro, pois a modalidade prevista no Funpresp é a de Contribuição Definida mediante a qual os servidores saberão quanto terão que pagar, mas o benefício futuro dependerá do mercado, de acordo com o saldo da conta individual, a rentabilidade do investimento, as comissões cobradas pelas consultorias, a idade da aposentadoria, a expectativa de vida [por gênero] e o grupo familiar, trazendo riscos elevados para os servidores”.

Dia nacional de luta

As mobilizações não terminam hoje. No dia 25 de abril, servidores públicos de todo o país serão chamados a uma mobilização nacional, definida como o Dia Nacional de Luta e Paralisação. O SINASEMPU irá levar o movimento à base, conclamando todos os servidores do MPU a unirem-se e fortalecerem a luta nacional dos servidores públicos federais, sem prejuízo das reivindicações específicas da categoria. “A bandeira em favor da consolidação de uma política nacional de valorização dos servidores públicos também é nossa. Vamos conclamar todos os servidores a mobilizarem-se nesse sentido, sem esquecer as lutas específicas da nossa categoria”, afirmou Anderson Machado.

quarta-feira, 28 de março de 2012

Está Chegando a Hora de Voltarmos ao Congresso

Estamos chegando ao início de abril e temos poucos meses para resolver a questão do nosso reajuste. Afinal, estamos em ano eleitoral.

Atualmente, a Câmara dos Deputados vem se rebelando contra a presidenta Dilma e alguns líderes declararam que o orgão é independente. Nos parece ser um momento adequado para retomada da pressão que fizemos em 2011.

Precisamos que os servidores de Brasília se disponham a comparecer ao Congresso Nacional para pressão nos Deputados Federais mais uma vez. Temos que repetir o trabalho que fizemos na CTASP, mas agora precisamos conversar e esclarecer os deputados da CFT, que é a comissão mais problemática.

Precisamos estar com tudo negociado para que, quando o MPU enviar o orçamento para o próximo ano a, aprovação seja imediata. Só conseguiremos isso mostrando aos deputados o que queremos.

Quem foi ao Congersso em 2011 percebeu o quanto eles são pouco informados e o quanto a desinformação causada por algumas instituições nos atrapalhou. O reajuste é uma questão de escolha. Ou nós servidores participamos ou vamos amargar outro ano sem reajuste.

Organizem-se para poderem comparecer ao Congresso. Os horários mais importantes são as Terças e Quartas-Feiras de 10h as 12h e das 14h às 16h. Lembrando que as sessões da CFT ocorrem nas Quartas as 10h. Se cada um se disponibilizar a ir em um desses quatro horários teremos gente suficiente para fazer um bom lobby. De outra forma, vocês já sabem o que pode acontecer.


terça-feira, 27 de março de 2012

Renova Sindjus

Sabemos que o Sindjus é um sindcato do Poder Judiciário e a nossa opinião sustenta que exista uma separação entre Judiciário e MPU, que os dois andem juntos quando os interesses forem mútuos e que cada um trate de suas peculiaridades quando os interesses forem divergente.

Sabemos ainda que o Sindjus afetou e ainda afeta demais a negociação do nosso reajuste. Se estamos tanto tempo sem reajuste, grande parcela da culpa cabe a essas últimas diretorias do sindicato, que estavam focadas em interesses políticos e não em ouvir a voz da categoria.

Em virtude do que foi dito não podemos ignorar o processo eleitoral que agora acontece no Judiciário. Além disso ainda existem servidores do MPU filiados a esta entidade.

Uma nova chapa surgiu da insatisfação dos servidores do Poder Judiciário em relação a atual diretoria. Por incrível que pareça, a antiga oposição ao Policarpo e os servidores Pró-subsídio se uniram para mudar a liderança sindical com a proposta de levar as decisões de volta para a categoria.

Uma diretoria sindical tem o único deve de representar seus filiados e o resto da categoria, que é o mesmo papel que governadores e deputados deveriam ter, mas em nosso país as coisas são distorcidas e os representantes logo se tornam ditadores vitalícios que fazem de tudo para permanecer no poder.

Sabemos que no MPU o subsídio foi escolhido pela maioria dos servidores, com uma adesão superior a 85%, mas isso não aconteceu no Judiciário, porque nunca ouve uma consulta. Nossa crença é que essa chapa, uma vez eleita, fará consulta e que seguirá a vontade da categoria. Isso é o mais importante.

Por tudo que foi dito e por termos visto de perto o trabalho de algumas pessoas que agora fazem parte do movimento Renova Sindjus é que damos o nosso total apoio a esta chapa.

É bom que os servidores se lembrem que os dois sindicatos estão em processo eleitoral e ao contrário do que acontecerá com o SINASEMPU, no SINDJUS as eleições ainda serão no papel.

Converse com seus colegas que irão votar nesta eleição e mostre a eles a importancia de se escoher uma nova direção para o Sindjus


Quem quiser saber mais pode acessar http://www.renovasindjus.com.br/